O que você está procurando na
    cidade de Tupã?

Obrigado! Sua solicitação foi entregue com sucesso!

Oops! Algo deu errado no envio da solicitação...

Obrigado! Sua solicitação foi entregue com sucesso!

Oops! Algo deu errado no envio da solicitação...

Embracom
Oficina
anuncie
Amendupã
Rede
Blusinha
UNIMES
Magrass
Millenium
Universidade
Moreno
Allo
anuncie
Igreja
Proeste
recomendados
EducaMais-Coaching

anuncie

Onfit

Race

Fadap/Fap

Segment

Karazawa

EducaFit

emprego

Federação

INFORMATIVO

Gostaria de Receber?

** Cupom Desconto **
*** Promoções ***
*** Novidades ***

do Guia Tupã em seu e-mail?

Thank you! Your submission has been received!

Oops! Something went wrong while submitting the form

NOTÍCIAS: Tupã-SP
PREFEITO TENTA SUSPENDER SESSÃO DE CASSAÇÃO
 
foto Notícia Tupã
 
31/05/2019 -

juiz da 2ª Vara Cível, Guilherme Facchini Bocchi Azevedo, indefiriu liminar ao mandado de segurança movido pelo prefeito José Ricardo Raymundo (PV) contra o presidente da Câmara Municipal, pastor Eliézer de Carvalho (PSDB), e os vereadores Amauri Mortágua (PR), presidente da Comissão Processante; Charles dos Passos (PSB) e capitão Neves (PV), membros da comissão. Com a medida, o prefeito pretendia adiar a votação que analisaria sua cassação. O prefeito destacou que, por força de denúncia apresentada por um cidadão (advogado André Braga), foi instaurada no dia 4 de abril, na Câmara Municipal, Comissão Processante para apuração dos fatos relatados. O prefeito alegou que o procedimento adotado pelas autoridades impetradas continha ilegalidades, na medida em que foram ignoradas as teses de nulidade preliminares, arguidas em sua defesa, e também em alegações finais, “sem fundamento legal plausível”. A defesa afirmou que a denúncia é inepta, pois não aponta, de forma definitiva, a suposta infração político-administrativa cometida pelo prefeito, pois não consta nenhum dos tipos infracionais veiculados pelo artigo 4º do Decreto-Lei 201-1967. O prefeito acrescentou que houve cerceamento de defesa no procedimento adotado pela Comissão Processante, na medida em que foi negada a oitiva das testemunhas arroladas, não oportunizando o seu interrogatório e negada a expedição de ofícios solicitados. Raymundo postulou, então, concessão de medida liminar que determine a suspensão da tramitação dos trabalhos instaurados pela Comissão Processante, considerando a sessão de julgamento ocorrida ontem, e que, ao final, confirmada a liminar, seja concedida a segurança, com a decretação da nulidade de todo o processado desde a primeira votação que recepcionou a denúncia. Decisão Segundo o juiz, o artigo 7º, inciso III, da Lei nº 12.016/2009, destaca que o deferimento liminar de suspensão do ato reputado coator está condicionado à demonstração da relevância dos fundamentos e de que a manutenção do ato impugnado possa redundar em ineficácia da futura concessão da segurança. O magistrado destacou que, nesse caso, “não se vislumbra a presença dos requisitos autorizadores da concessão da liminar pleiteada”. Segundo Azevedo, durante a tramitação do procedimento instaurado sobre eventual cassação do prefeito, transparece que “não houve mácula ao seu sagrado direito de defesa”. O juiz explicou que, segundo o teor do relatório final e das decisões da Comissão Processante, “extrai-se que os pleitos que foram indefiridos vieram fundamentados pela Comissão Processante”. O magistrado destacou que, como todo direito fundamental, o direito ao contraditório e ampla defesa não é absoluto, devendo também ser sopesado em conjunto com os princípios que norteiam a administração pública e o interesse público que gravita em torno da apuração dos fatos pela Câmara de Vereadores de Tupã. “Vê-se que o procedimento de cassação do mandato de prefeito possui ritualística minudentemente estipulada pelo art. 5º do Decreto Lei 201/1967, e da análise minuciosa da documentação congregada à inicial não se extrai, por ora, subversão das fases lá estipuladas”, afirmou. “O procedimento em questão é um instituto de natureza política, conforme já reconhecido pelo Supremo Tribunal Federal (...), reservando-se ao poder judiciário a garantia do devido processo legal, da ampla defesa e do contraditório. Ou seja, exige-se prudência do intérprete no sopesamento entre os princípios fundamentais do Estado Constitucional”, acrescentou. Em sua decisão o magistrado explica que a apreciação do processo de cassação de prefeito cabe, com efeito, à Câmara dos Vereadores, de modo que “apenas a esse colegiado, enquanto juiz natural da causa”, compete analisar o mérito da acusação realizada contra o prefeito, não havendo motivo para censura pelo Poder Judiciário. “Em verdade, a argumentação veiculada para fins de concessão da medida liminar imiscui-se e externa irresignação que toca com o mérito dos fundamentos adotados pela Comissão Processante, fato que, por si só, a desveste de relevância, porquanto serão submetidos ao juiz natural da causa”, salientou. O juiz explicou que os atos praticados pela Comissão Processante, integrada por vereadores, ou seja, “representantes da população tupãense”, limita-se ao controle da legalidade, “sendo vedado ao Poder Judiciário adentrar ao âmago dos fundamentos adotados pelo ato combatido”. Azevedo explicou que o alegado cerceamento de defesa do prefeito, considerando o intento de oitiva de 55 testemunhas, quando a previsão legal limita a oitiva a dez pessoas; a oitiva de deputado estadual indicada às vésperas da sessão de instrução, e a suposta ausência de interrogatório do prefeito que foi intimado em prazo hábil para a data do ato, notando-se que a ordem de produção probatória determinada pelo Decreto-Lei 201/1967, prevê, por primeiro, a oitiva do denunciado, e, por segundo, a das testemunhas. “Por outras palavras, não se vislumbra prejuízo a situação jurídico-política do impetrante, mormente se considerando que, por ora, sequer houve decisão final com relação ao seu mandato pela Comissão Processante”, afirmou. “Nestes termos, de rigor o indeferimento de liminar”, completou.

 
Autor/Fonte: Jornal Diario Tupa
Link Referência: http://www.diariotupa.com.br/Noticias/noticia.php?politica-prefeito-tenta-suspender-sessao-de-cassacao&IdNoticia=13383&IdCategoria=12
 
Voltar
COMPARTILHE PARA TODOS

taxi | gws | roupa | hospital | prefeitura | rodoviaria | | forum | academia | creche | guia | n | academia corpus | anunciar |

DESTAQUES
classificados
 
cupom
 
anuncie
 
Brindecef
 
pagseguro
 
cupom
 
Bom
 
Sport
 
Supermercado
 
gws
 
FX
 
Apoio
insta
 
franquia
 
twitter
 
anuncie
 
CUPOM DESCONTO
GUIA SHOP ONLINE
AVALIAÇÕES
BAIXAR APP
mais cidades online

Angra dos Reis-RJ | Aracaju-SE | Batatais-SP | Bebedouro-SP | Campinas-SP | CAMPO GRANDE-MS | Campos Jordão-SP | Cerejeiras-RO | CURITIBA-PR | Duque de Caxias-RJ | Florianopólis-SC | Guarapuava-PR | Guariba-SP | Ijuí-RS | Ilha Comprida-SP | Itabirito-MG | Jaboticabal-SP | Joinville-SC | Lauro de Freitas-BA | Londrina-PR | Magé-RJ | MANAUS-AM | Matão-SP | Mirassol-SP | Monte Alto-SP | Nova Lima-MG | PALMAS-TO | Paulista-PE | Peruíbe-SP | Piracicaba-SP | Pirassununga-SP | Posse-GO | Praia Grande-SP | Ribeirão Preto-SP | Rio Claro-SP | Rio de Janeiro (Tijuca)-RJ | SALVADOR-BA | Santa Maria-RS | Santos Dumont-MG | São Bernardo Campo-SP | São Borja-RS | São João Paraíso-MG | São José Campos-SP | São José da Lapa-MG | São Paulo (Penha)-SP | São Paulo (Santo Amaro)-SP | São Pedro-SP | Sertãozinho-SP | Sete Lagoas-MG | Sobral-CE | Sumaré-SP | Tangará da Serra-MT | Tramandaí-RS | Tupã-SP | Uruguaiana-RS | Vale do Ribeira-SP | Varginha-MG | Vila Velha-ES | Vilhena-RO | Votuporanga-SP |

GUIA CIDADE ONLINE - FRANQUIA UNIDADE: Tupã-SP
COPYRIGHT© 2006 - GUIA CIDADE ONLINE - WWW.GUIACIDADEONLINE.COM.BR - ALL RIGHTS RESERVED
 DEVELOPED BY GWS ONLINE - WWW.GWSONLINE.COM.BR